sexta-feira, 21 fevereiro - 2014

Donos de cães e gatos de estimação devem conhecer o cone pós-operatório que os bichos têm de usar para não coçar feridas e arrancar pontos. É este mesmo artifício que a Coca-Cola sugere aos humanos que não conseguem desgrudar do smartphone.

Em um vídeo promocional lançado esta semana, a marca de refrigerantes oferece um “produto” novo chamado Social Media Guard que impede as pessoas de olharem para os aparelhos. Com ele o sujeito volta a prestar atenção ao mundo real, ao invés de permanecer focado no virtual o tempo todo.

O vício que os celulares inteligentes causa é algo que está em discussão constante atualmente, por isso a Coca-Cola resolveu entrar na onda. De acordo com a empresa, o mundo todo gasta, mensalmente, o equivalente a 4 milhões de anos online. É ou não é hora de dar uma repensada nos hábitos?

Confira o vídeo:

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/

por - Sem Comentários
quarta-feira, 19 fevereiro - 2014

Veja como ajustar o brilho, ativar/desativar conexões e ver informações variadas sobre a duração da bateria a partir de um só lugar

Muitos dos novos tablets e smartphones tem um poder de processamento incrível. Alguns modelos contam com dois ou mais núcleos de processamento. Toda esta velocidade permite que diversas tarefas sejam executadas ao mesmo tempo e sem engasgos.

Porém, este alto desempenho tem um preço a ser pago. Quem fica com esta conta é a bateria. Quem compra estes aparelhos, espera poder navegar na internet ou jogar o dia inteiro sem precisar ficar ao lado de uma tomada para recarregá-lo.

Para ajudar no gerenciamento de energia de dispositivos Android, confira uma lista de aplicativos de controle de consumo de bateria:

Battery Dr saver+a task killer

Este aplicativo combina duas funções que permitem identificar e corrigir o que está afetando a duração da bateria. Uma delas é a visualização e encerramento de tarefas ativas, mas que não estão em uso. A outra é o ajuste de volume, brilho da tela e rápida ativação/desativação do Bluetooth e Wi-Fi.

O Battery Dr saver+a task killer permite que o usuário saiba a temperatura e capacidade de recarga da bateria. Outras informações sobre tempo restante da bateria para tarefas específicas também são exibidas pelo aplicativo. Assim fica fácil saber quanto tempo ainda há para ouvir música, assistir a filmes, permanecer numa conversa telefônica ou navegar na internet.

Juice Defender

Para quem deseja realizar um ajuste detalhado no consumo de energia do Android, o Juice Defender é a escolha certa. Nele o usuário pode escolher um dos dois ajustes pré-definidos (equilibrado ou agressivo) para controle de consumo da bateria. O Juice Defender trabalha na redução da velocidade do processador quando o aparelho se encontra em repouso.

O ajuste de brilho também está presente. Um recurso interessante é o agendamento do funcionamento das conexões 3G e Wi-Fi. Apesar de ter uma boa interface, devido a variedade de funções, pode-se levar algum tempo até que o usuário se acostume com todos os menus. Um widget com informações básicas da bateria pode ser instalado na página inicial do dispositivo móvel.

Existem duas versões pagas do Juice Defender que acrescentam recursos adicionais. A Plus, que acrescenta outros dois ajustes pré-definidos (extremo e personalizado). E a Ultimate, que permite um melhor controle sobre o GPS.

Battery Defender

O indicador do nível de bateria nativo do Android não dá a noção exata de duração da mesma. Com o Battery Defender, a carga da bateria poder ser vsita por porcentagem, diretamente da barra de notificações. Este aplicativo permite rápidos ajustes nas conexões mais comuns (3G, GPS, Wi-fi e Bluetooth).

O recurso “Genius Scan” faz com que seja possível definir o intervalo de aplicativos que usam a sincronização de dados (gerenciadores de e-mails e redes sociais). Já o “Quiet sleeping” desabilita automaticamente as conexões 3G e Wi-Fi durante a noite. Basta configurar o horário desejado para que o recurso entre em funcionamento.

Easy Battery Saver

De forma inteligente, o Easy Battery Saver lida com as conexões e brilho/desligamento da tela do seu aparelho com Android. O aplicativo oferece cinco ajustes pré-definidos (geral, inteligente, super economia de energia, normal e personalização avançada).

No modo inteligente o aplicativo ajusta as configurações de energia conforme o uso do aparelho naquele momento. No normal, nada é feito e as configurações padrões do aparelho são mantidas. Já o modo de super economia mantém o dispositivo móvel em stand-by (suspenso) o máximo de tempo possível.

O Easy Battery Saver também exibe uma lista com os gastos de cada recurso ou tarefa ativa naquele momento. Assim, fica fácil identificar o aplicativo que consome mais energia e, caso não esteja sendo utilizado, encerrá-lo imediatamente.

One Touch Battery Saver

A bateria do seu smartphone está no fim bem numa emergência? Clique em “Power Saving” no One Touch Battery Saver e ganhe alguns minutos extras antes que o aparelho desligue por completo. O aplicativo nesta hora gerencia o brilho da tela, conexões 3G/GPS/Bluetooth/Wi-Fi ativas, vibração e sincronização de dados.

O usuário pode ver quanto tempo resta de carga da bateria para atividades distintas (ouvir música, efetuar ligações e navegar na internet). Dois widgets estão disponíveis para serem instalados na tela inicial do Android, ambos com informações básicas sobre a bateria e gerenciamento de energia.

Fonte: http://tecnologia.ig.com.br/

por - Sem Comentários
terça-feira, 18 fevereiro - 2014

Especialista mostra exercícios para fazer de manhã que podem ativar o lado criativo de qualquer um

Mais do que dom ou obra do acaso, a maior parte das ideias criativas são fruto de uma postura adotada pelo autor delas diante do mundo. Em outros termos, elas são fruto de um olhar treinado e de uma mente aberta para dar vazão para a criatividade.

Alguns destes exercícios podem ser feitos tão logo você desperta pela manhã. Veja quais são:

Registre seus sonhos

Todos os dias, religiosamente, assim que acordava, o cineasta italiano Federico Fellini já começava a desenhar. Nos contornos estavam as imagens que povoaram a mente dele durante o sono.

O resultado, apresentado mundo afora hoje em exposições, eram cenas improváveis, mas, quase sempre, providas de uma lógica incrível.

No hábito do diretor de “A doce vida” pode estar um segredo precioso para quem quer estimular a criatividade.

Grosso modo, a experiência onírica é produto da intensa atividade cerebral enquanto dormimos e, possivelmente, está relacionada com a aprendizagem e consolidação das memórias.

“Ao escrever ou desenhar, você traz essas ideias que surgem nos sonhos para o seu consciente. É um meio de exercitar a criatividade”, diz Glória Kassoy, especialista no assunto.

Repasse os projetos

Enquanto lista as atividades prioritárias do seu dia, aproveite para relembrar os projetos que terá que trabalhar nos próximos dias ou meses e para os quais você precisará de ideias. “É uma meio de incubá-los na sua mente”, diz a especialista.

Com isso, seu cérebro, sutilmente, começa a trabalhar em cada uma dessas questões. “Ao dar essa alinhada na cabeça, as ideias virão mais facilmente”.

Fuja da rotina

Por conta do tempo diminuto, muita gente liga o piloto automático durante as manhãs com o objetivo de fazer o tempo render. Mas uma boa tática para estimular o cérebro está exatamente na quebra da rotina. Vale até tentar escovar os dentes com a outra mão, por exemplo, segundo a especialista.

Bônus: O que não fazer

Se a postura é, tão logo desliga o despertador, correr para o Facebook, atenção: este hábito pode comprometer as horas que estão por vir. “Em vez de preparar sua mente para um dia de trabalho, você a está dispersando”, diz Gisela.

Fonte: http://exame.abril.com.br/

por - Sem Comentários
quarta-feira, 12 fevereiro - 2014

Programas dão pontos, que podem ser trocados por produtos, ou dinheiro. Modelo atrai também empresas, interessadas em agradar consumidores

No mês que vem, chega ao mercado brasileiro o aplicativo Mova+. Ele vai monitorar a atividade física de seus usuários e dar-lhes, de acordo com a assiduidade de cada um, pontos que podem ser trocados por produtos em programas de fidelidade. Recompensar usuários fieis é um modelo que ganha força entre os apps para dispositivos móveis. Alguns oferecem dinheiro como forma de recompensa pela simples utilização, outros, em troca da participação em pesquisas de opinião.

O Mova+ é o primeiro aplicativo criado no Brasil para incentivar atividades físicas por meio de recompensa. Mais de 15.000 pessoas já se inscreveram no site oficial para ter acesso primeiro ao novo app. A lógica é a mesma adotada pelos programas de fidelidade de cartões de crédito — a diferença é que em vez de premiar os maiores consumidores, o programa beneficia quem se exercitar mais. A pontuação acumulada valerá prêmios que vão de liquidificadores a passagens aéreas. “Muita gente não faz exercícios porque o benefício só aparece depois de alguns meses. Nossa ideia é dar uma recompensa imediata para que as pessoas se sintam estimuladas a continuar”, diz Marco Gomes, fundador da empresa especializada em publicidade on-line Boo-Box e cofundador da startup Mova+.

O novo aplicativo não é o único a recompensar quem busca uma vida mais saudável. O Pact, desenvolvido por uma startup do Vale do Silício, nos Estados Unidos, está disponível no Brasil desde 2012. Porém, como sua interface ainda não foi traduzida para o português, ele reúne apenas 2.000 usuários no país. Nos Estados Unidos, são mais de 500.000 pessoas cadastradas. “Eu estabeleci uma meta de me exercitar três vezes por semana e tenho que pagar cinco dólares a cada atividade perdida. Esses pagamentos vão para um fundo, de onde tiramos o dinheiro para pagar as pessoas que alcançam suas metas”, diz Marissa Jean, gerente de marketing do Pact. As transações são feitas via PayPal. Quem cumpre as metas pode lucrar entre 30 centavos de dólar e 5 dólares por semana.

O modelo deu tão certo que, em janeiro de 2014, a empresa lançou um recurso que remunera o usuário que incluir mais frutas, legumes e verduras em seu cardápio. Os adeptos também estão sujeitos à multa se não atingirem a meta. “Após essa atualização do app, o número de pessoas que se comprometeram a pagar a multa caso não sigam a deita à risca aumentou 65%”, diz Marissa. Para não ter surpresas, o usuário pode definir o valor da multa que vai pagar e a quantidade de vegetais (ou atividades físicas) consideradas na meta.

No caso do Mova+, as recompensas não serão custeadas pela comunidade de usuários, mas por empresas que querem estimular a atividade física entre os funcionários, operadoras de planos de saúde e outras companhias que querem se associar ao conceito de qualidade de vida. “Queremos criar uma relação entre a marca que ofereceu aquela recompensa e o usuário. Ela vai oferecer algo tangível, que realmente faz diferença na vida dele”, diz Fernando Aquino, responsável pelo desenvolvimento do Mova+.

Outro aplicativo que tem um modelo de negócios parecido, apoiado em servir como intermediário entre marcas e consumidores, é o Kiip. Criado por três empreendedores do Vale do Silício, ele monitora as atividades do usuário em outros aplicativos. Quando alguém quebra um recorde em um game ou atinge um objetivo em um programa de treinamento físico, o Kiip oferece créditos para a aquisição de itens na loja de músicas da Amazon, descontos em caronas pelo serviço digital Uber ou uma assinatura gratuita do serviço de música Hulu.

“O objetivo do Kiip é permitir que as marcas façam parte dos momentos de realização das pessoas, oferecendo-lhes um prêmio”, disse Brian Wong, cofundador do Kiip. O programa já está instalado em mais de 75 milhões de dispositivos móveis em todo o mundo e vai chegar ao Brasil nos próximos meses. Até o momento, mais de 2 milhões de prêmios foram entregues por meio do app.

A eficiência da recompensa é objeto de estudo da psicologia econômica, área que investiga de que forma e em que medida fatores sociais, cognitivos e emocionais influenciam a tomada de decisões por indivíduos e também grupos. As principais conclusões das pesquisas ajudam a explicar o mecanismo. Em linhas gerais, o ser humano tem dificuldades em lidar com situações nas quais uma decisão e suas consequências estão separadas por um hiato relativamente longo de tempo. Tendemos a não agir se achamos que vamos demorar a desfrutar do produto dos nossos atos. A recompensa pode encerrar a inércia, como um empurrão, acenando com um pouco de prazer.

No livro Nudge, os acadêmicos da Universidade de Chicago Richard Thaler e Cass Sustein explicam esse comportamento econômico do ser humano de maneira simples: “A maioria das pessoas não precisa ser encorajada a comer mais um brownie, mas elas podem precisar de ajuda para se exercitar mais.” De fato, o prazer proveniente do doce é imediato; do exercício físico, demorado. A “ajuda” pode aparecer à nossa frente na forma de pontos a serem trocados por produtos, de pilhas de dinheiro ou até mesmo da aprovação para a fase seguinte de um game. “O ser humano sente prazer quando percebe que está avançando, que é capaz de alcançar um objetivo. Quando ganhamos pontos ou dinheiro, essa sensação aumenta ainda mais”, diz Vera Rita de Mello Ferreira, consultora de psicologia econômica e professora da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi).

Os primeiros aplicativos que oferecem recompensas começaram a aparecer nos Estados Unidos em 2010. O pioneiro foi o ShopKick, que atualmente reúne 6 milhões de usuários. Ele dá descontos em compras quando um usuário visita uma loja e faz check-in por meio do aplicativo. “Recompensar o consumidor pelo fato de ele ter ido à sua loja é um tremendo incentivo aos potenciais clientes”, diz um porta-voz da empresa.

No Brasil, o PiniOn foi o primeiro aplicativo brasileiro a usar o modelo. Lançado em 2013, ele dá pequenas quantias em dinheiro para quem completa determinadas tarefas, em geral relacionadas a pesquisas de mercado. O app pode pedir, por exemplo, que usuário fotografe a gôndola de um produto no supermercado ou dê sua opinião sobre um novo brinquedo do parque de diversões do shopping mais próximo. “Já tivemos um usuário que sacou 675 reais de uma única vez pelas tarefas que realizou no app”, diz Ygor Lemos, diretor de tecnologia do PiniOn. Atualmente, mais de 60.000 brasileiros utilizam o aplicativo.

Fonte: http://veja.abril.com.br/

por - Sem Comentários
segunda-feira, 10 fevereiro - 2014

Marca de iogurte dá vida ao urso do comercial do SuperBowl em novo filme

Para dar continuidade ao comercial apresentado no Super Bowl 2014, a marca de iogurte grego Chobani levou para as ruas de Nova York o urso voraz e faminto por alimentos de ingredientes naturais.

No comercial original, que passou no intervalo do evento, o urso atacou uma loja de conveniência em uma cidade de interior dos Estados Unidos, em busca do iogurte natural.

O filme explicava a situação: “Pode ser difícil encontrar comida feita apenas com ingredientes naturais. Mesmo para um grande urso pardo. É por isso que na Chobani, usamos 0% conservantes, 0% sabores artificiais, 0% de adoçantes artificiais. 100% do tempo”.

No novo filme, criado pela house agency da marca, o urso segue sua busca pelas ruas provocando diferentes reações nas pessoas da cidade.

Assista ao vídeo:

Autor: Amanda Boucault

Fonte: www.meioemensagem.com.br

por - Sem Comentários
terça-feira, 28 janeiro - 2014

Uma nova pesquisa, conduzida pela IBM, detalhou que, embora ainda seja o principal canal de vendas, as lojas físicas estão perdendo espaço para as virtuais em um ritmo acelerado. O estudo, realizado com mais de 30 mil consumidores em 16 países, mostrou que mais de um quarto dos consumidores (27%), fez a sua última compra através da Internet. O índice é praticamente o dobro do encontrado na última mensuração com essa finalidade. A grande fatia de crescimento nos consumidores on-line é de pessoas que estão recorrendo diretamente à Internet, ao invés de visitar a loja física primeiro.

Concernente a compartilhar informações com empresas, a pesquisa revelou que os consumidores atuais estão dispostos a compartilhar dados pessoais com varejistas, especialmente se eles receberem algum tipo de benefício na troca. Entretanto, de acordo com a IBM, os consumidores acreditam isso não ocorre, na maioria das vezes. Quase 40% dos entrevistados estão dispostos a fornecer o número de celular para receber mensagens de texto das empresas; enquanto 36% compartilharia sua localização via GPS; e 32% seus hábitos sociais.

A pesquisa também estratificou os consumidores em quatro diferentes grupos, de acordo com a forma eles utilizam as tecnologias mobile, social e de localização enquanto compram: tradicionais (19%), são os que menos usam tecnologia enquanto estão comprando; em transição (40%), usam a tecnologia mais para pesquisar algum produto ou obter informações do tipo; intrigados (29%), usam os novos recursos para navegação e compra; e os pioneiros (12%), fazem um uso constante de novas tecnologias, incluindo avaliar varejistas.

Fonte: http://ecommercenews.com.br

por - Sem Comentários
terça-feira, 28 janeiro - 2014

Rede social respondeu de forma bem-humorada a uma pesquisa polêmica que prevê saída de 80% dos seus usuários até 2017.

O Facebook respondeu de forma-bem humorada e um tanto ácida a um estudo publicado nesta semana pela Universidade de Princeton, que previa que a rede social poderia perder nada menos que 80% dos seus usuários até 2017.

De acordo com o estudo polêmico em questão, feito por uma dupla epidemiologistas da universidade, era preciso olhar para o site de Mark Zuckerberg como uma doença infecciosa, da qual a maioria das pessoas iria se recuperar nos próximos anos. Também não deve ter ajudado o fato de a pesquisa ter comparado o possível do Facebook com o MySpace, que, vale lembrar, teve sua “morte” causada em grande parte pelo próprio Facebook.

Pois bem, o Facebook resolveu responder na mesma moeda com um “estudo” que aponta que Princeton não terá mais estudantes em 2021. “Usando a mesma metodologia robusta disponível no relatório, tentamos descobrir mais sobre essa ‘Universidade de Princeton’. Você não vai acreditar no que descobrimos”, afirmou o cientista de dados do Facebook, Mike Develin.

Para chegar a essas conclusões um tanto absurdas, Develin descobriu um declínio na publicação de artigos acadêmicos pelos alunos de Princeton, assim como uma queda similar nos resultados da universidade no Google Trends.

Ao final, o cientista de dados do Facebook deixa claro que tudo não passou de uma brincadeira, ainda que cheia de ironia. “Nós adoramos Princeton…queríamos fazer um lembrete divertido de que nem todas as pesquisas são criadas da mesma forma – e que alguns métodos de análise levam a conclusões bem loucas.”

Fonte: http://idgnow.com.br

por - Sem Comentários
segunda-feira, 27 janeiro - 2014

Projeção, aquecedor e áudio simularam um clima bem mais quente durante o inverno

Inverno na Europa é sinônimo de frio congelante em muitos países do velho continente. O clima não ajuda quem depende do transporte público e esperar um ônibus pode ser uma difícil missão. Pensando nisso, a Coca-Cola, em mais uma iniciativa de sua campanha “Open Happiness”, deu um toque de verão em uma parada na cidade de Uppsala, na Suécia. Projeção, lâmpadas quentes, sons de pássaros cantando e, claro, refrigerante grátis alegraram o dia escuro de quem aguardava. A criação da agência IUM. Saiu no Brainstorm9.

Veja aqui o vídeo da campanha: http://goo.gl/uxi4tS

Fonte: http://www.proxxima.com.br/

por - Sem Comentários
quarta-feira, 27 novembro - 2013

Filme foi baseado em campanha que apresentava resultados da função auto-completar do Google.

Depois do impacto causado por sua campanha sobre os direitos das mulheres vistos pela função de auto-completar do Google, a UN Women, entidade da ONU, lança um filme que relembra os avanços da mulher na sociedade, desde 1869 até os dias atuais.

Também criado pela Ogilvy & Mather de Dubai, o filme traz conquistas como o direito ao voto em 1863 e o sucesso da atleta Sarah Attar, da Arábia Saudita, nas Olimpíadas de 2012. Porém, a campanha lembra que, com base nos resultados das pesquisas no Google, as mulheres ainda não são vistas igualmente.

Assista:

Fonte: http://www.meioemensagem.com.br

por - Sem Comentários
quarta-feira, 27 novembro - 2013

O marketing em plataformas digitais é cada vez mais importante para quem deseja fortalecer a atuação de sua empresa

As facilidades oferecidas pelas redes sociais são sedutoras, mas, como todos os investimentos publicitários, necessitam de um bom planejamento. As estratégias devem ser, sobretudo, apoiadas na tríplice: conteúdo, produto e relacionamento, que entra em constante melhoria alimentada pelos dados de monitoramento.

Enquanto as ações de conteúdo engajam, as estratégias de relacionamento constroem laços com os consumidores e as iniciativas de produto buscam alcançar objetivos específicos relacionados à venda.
Porém, mesmo que estruturadas de maneira independente, todas essas frentes devem estar integradas e abastecidas pelo trabalho de monitoramento com métricas. Desta forma, é possível verificar se suas estratégias estão sendo realmente eficazes.

Conteúdo

Inspire e engaje seus seguidores. Seja criativo no momento da redação e da escolha de imagens ilustrativas. Estimule a participação de seu público, questionando-o sempre que possível, e fomente a produção colaborativa, fazendo com que os próprios clientes escrevam sobre a marca e produtos.

É interessante, também, saber usufruir das informações de outros canais, a fim de complementar o seu. Realize uma boa curadoria de conteúdo em sites e blogs de interesse semelhante à sua marca. Por último, não se esqueça de definir a regularidade do conteúdo postado. A frequência e horário das postagens devem variar conforme cada rede social.

Relacionamento

É essencial lembrar que as redes sociais servem, também, como canal de atendimento, logo, a interação com o público deve ser permanente. Um dos principais objetivos deve ser a resolução de possíveis problemas, demonstrando responsabilidade e comprometimento. Mesmo realizando um trabalho impecável, entenda que sua empresa está passível de criar vínculos positivos e negativos com clientes. Esteja atento a evangelizadores e agressores da marca: eles podem ser fundamentais na reversão de possíveis crises.

Produto

Como canal de divulgação, as redes sociais são ótimas ferramentas para a realização de promoções e descontos exclusivos. Uma tática útil é utilizar datas comemorativas e calendários promocionais para oferecer vantagens ao público. Prepare chamadas e imagens interessantes a fim de mostrar o melhor de seus produtos e serviços. Apenas atente para o uso de fotografias com direitos autorais e evite texto excessivo.

Monitoramento

Saber o que está sendo falado em mídias sociais sobre sua marca, produtos, serviços e concorrentes é essencial para embasar qualquer estratégia de redes sociais. Assim, você pode observar os assuntos que estão em alta no momento e o que seus clientes estão falando.

O monitoramento irá guiar suas ações de conteúdo, produto e relacionamento, medindo a reputação de sua marca e o impacto das ações realizadas. Além disso, a estratégia de monitoramento possibilita antever e até reverter possíveis crises, assim como identificar pontos de melhoria e oportunidades de mercado.

Autor: Lucas Diniz, especialista em redes sociais

Fonte: http://exame.abril.com.br

por - Sem Comentários
Tweetar